Mediação

O que é Mediação?

É uma maneira das pessoas da comunidade resolverem seus próprios conflitos pelo diálogo, assim ouvindo o outro, podemos olhar o problema de novas maneiras e ajudar as pessoas a encontrarem juntas os melhores caminhos para a solução de seus conflitos. O mediador de conflitos não tem qualquer poder de decisão, ou seja, ele não aconselha, não sugere soluções e muito menos julga as pessoas. O mediador facilita a comunicação entre as pessoas envolvidas no conflito, fazendo perguntas que as levem a pensar, a se posicionar sobre os próprios problemas causados pelo conflito e a se colocar no lugar do outro. Essa comunicação, facilitada pelo mediador, pode gerar um acordo que seja satisfatório para todas as partes e, melhor, pode selar a paz entre pessoas que permanecerão convivendo em um mesmo ambiente. A mediação é voluntária e confidencial.

Quem pode ser agente comunitário de mediação?

Qualquer pessoa moradora da comunidade que atenda aos requisitos abaixo pode ser agente comunitário de mediação.

Requisitos pessoais:

  • Idade mínima: 18 anos;
  • Grau de instrução mínimo: saber ler e escrever;
  • Experiência anterior: participação e/ou interesse em trabalhos sociais, voluntariado, movimentos populares;
  • Aptidões e características de personalidade: capacidade comunicativa, iniciativa, capacidade de síntese, criatividade, comprometimento e sociabilidade;
  • Residir por, no mínimo, 1 (um) ano no local onde atuará como Agente Comunitário;
  • Ter referências judiciais e sociais favoráveis;
  • Não estar envolvido diretamente com atividades político-partidárias;

Responsabilidades e compromissos:

  • Resguardar sigilo em relação aos casos atendidos;
  • Ter disponibilidade e disposição para atuar ativamente nos espaços comunitários, residências, instituições, escolas, templos religiosos, entre outros;

Ter disponibilidade e disposição para a capacitação inicial que engloba o curso de mediação, a formação contínua com a equipe multidisciplinar e os encontros promovidos pelo Núcleo.

Quais são as atribuições dos agentes comunitários de mediação?

O agente comunitário de mediação atua, preferencialmente, na área próxima ao seu local de moradia, atendendo as demandas individuais e/ou coletivas que lhe forem apresentadas diretamente pelos cidadãos ou encaminhadas pelo Núcleo Comunitário respectivo.

Dependendo da natureza do conflito apresentado, várias são as possibilidades que podem ser propostas pelos Agentes Comunitários aos solicitantes. O encaminhamento sugerido ao caso concreto é definido em uma reunião entre os Agentes Comunitários e a tríade multidisciplinar que atua no Núcleo Comunitário de Justiça e Cidadania.

Sempre que possível, o Agente Comunitário buscará estimular o diálogo entre as partes em conflito, propondo, quando adequado, o processo de mediação.

Basicamente, as atividades desempenhadas pelos Agentes Comunitários são as seguintes: 1) educação para os direitos; 2) mediação comunitária e; 3) animação de redes sociais.

Processo de seleção dos agentes comunitários de mediação

Sugere-se que o processo seletivo seja conduzido pela equipe multidisciplinar do Projeto e realizado em duas fases:

Recrutamento:

  • Processo de captação de membros da comunidade interessados em se candidatar à atividade proposta;
  • Na fase inicial do processo seletivo é importante divulgar a descrição das atividades gerais inerentes à função de agente comunitário e a definição dos requisitos minimamente exigidos, a fim de que a adesão do candidato seja consciente, que haja adequação entre as suas expectativas e as propostas pelo Projeto;
  • Procurar instituições diversas, tais como escolas, associações de moradores, prefeituras comunitárias, ONGs, entre outras que realizem eventos comunitários para divulgação do Projeto e da seleção;
  • Promover eventos para divulgação da seleção na comunidade;
  • Distribuir folhetos de divulgação do programa e colocar cartazes nos espaços da comunidade com a colaboração de Agentes já atuantes;
  • Divulgar na mídia escrita e falada quando necessário. O ideal é que se possa ir pessoalmente na comunidade para que haja direcionamento mais apurado na busca dos possíveis candidatos;
  • Cadastramento dos interessados para que sejam convidados a participar da reunião de esclarecimento mais detalhado dos objetivos e atividades do Projeto (o cadastramento pode ser feito ao longo do ano, a fim de manter a lista dos interessados atualizada);
  • Realização de reunião de esclarecimento aos prováveis candidatos sobre a proposta do Projeto: objetivos, atividades, requisitos, capacitação, compromissos, dedicação, etc. Essa reunião deverá ser realizada no núcleo comunitário;
  • Aqueles que se identificarem com a proposta são solicitados a fazer a inscrição por ocasião da reunião;
  • A inscrição é feita por meio de preenchimento de formulário específico, no qual constam questões objetivas e subjetivas formuladas a partir da análise da descrição de atividades e conseqüentemente avaliação técnica dos requisitos necessários ao desempenho das mesmas.

Seleção:

  • Procedimento que facilita a identificação e escolha dos candidatos com o perfil mais adequado para o desempenho das atividades do Projeto;
  • Como fase preparatória desse processo, deve ser realizado um estudo minucioso das atividades desempenhadas pelos Agentes de Mediação Comunitária com a finalidade de elaborar o perfil que direcione as habilidades e aptidões que deverão ser identificadas no processo seletivo;
  • Todo o processo seletivo é voltado para a identificação dos candidatos que possuam as características adequadas à execução das atividades do Projeto;
  • É realizada leitura crítica dos formulários preenchidos pelos candidatos, observando-se os requisitos objetivos exigidos e identificando os traços pessoais relevantes que serão mais bem avaliados na dinâmica de grupo e entrevista;
  • Verificação junto ao sistema judicial de eventuais registros do(a) candidato(a) e pesquisa realizada junto à vizinhança do(a) candidato(a), a partir dos dados por ele(a) fornecidos no formulário de inscrição. Essa segunda etapa tem por objetivo averiguar em que medida os membros da comunidade conhecem e respeitam o(a) candidato(a) e se há algo de natureza grave em seu comportamento que possa comprometer sua atuação para a promoção da paz social;
  • Realizar dinâmica de grupo como processo que busca, a partir do contato grupal, promover a integração, o aprendizado e a reflexão, possibilitando, também, aprofundar o conhecimento dos candidatos, observar as características descritas nos perfis apresentados e a desenvoltura de cada um em situação de grupo;
  • A equipe multidisciplinar entrevista os candidatos, possibilitando interação mais próxima. Por meio da entrevista é possível confirmar ou refutar as impressões percebidas durante a dinâmica de grupo, de forma que são identificados os candidatos que se revelam mais adequados à função;
  • Cabe à equipe multidisciplinar, em conjunto com a coordenação, a escolha e conseqüente credenciamento dos candidatos que atenderam ao perfil requerido para o desempenho das atividades de Agente Comunitário;

Uma vez definido o quadro dos novos Agentes, a coordenação remete aos candidatos não selecionados uma carta de agradecimento pela participação no processo seletivo.